terça-feira, 29 de março de 2011

' my mistakes.


Estou tropeçando em meus erros, chutando-os pra longe de mim, querendo esquecê-los de alguma forma. Mas me parece que a culpa quer me deixar pior do que já estou.
Minha memória me condena, meu passado me assombra e a desconfiança que tenho de mim mesma me persegue.
-Me deixe em paz...
Tudo me faz lembrar daquilo que minha alma não quer carregar mais.
A repugnância que tenho de minhas ações me traz o desejo enorme de me desfazer de tudo o que me trouxe até aqui. Vou seguir meu próprio caminho, me libertar dos pensamentos que me prendiam e mudar o que ainda resta da minha vida.

E rezo para que essa minha vontade de fazer tudo diferente me mantenha forte e concentrada em meus objetivos... Até o fim.



segunda-feira, 28 de março de 2011

texto inacabado...

Como é possível eu me perder assim tão fácil no calor do teu abraço, viajar no brilho dos teus olhos ou acompanhar cada movimento dos teus cabelos? Não sei como parar essa minha constante observação em você.
Tudo faz sentido agora que descobri o que realmente sinto. Agora consigo entender o que eu à alguns dias me questionava. Descobri porque comecei a me sentir abandonada ou triste quando você me fala sobre amar alguém que não seja eu. Eu nunca me importei com isso e me perguntava: "porque estou me sentindo como se tivesse sido trocada?"
Era, e ainda é estranho as reações que meu coração tem quando estou perto de você. Estou tentando me acostumar aos meus novos sentimentos e a você, a te ver com outros olhos.

E finalizo esse texto inacabado, esperando pelo que ainda vai acontecer daqui pra frente, pois no fundo de minha alma, sinto que muitas coisas irão acontecer e que um dia terminarei esse capítulo com as palavras de nós dois.


domingo, 27 de março de 2011

"As nuvens mudam sempre de posição, mas são sempre nuvens no céu. Assim devemos ser todo dia, mutantes, porém, leais com o que pensamos e sonhamos; lembre-se, tudo se desmancha no ar, menos os pensamentos." (Paulo Baleki)

domingo, 20 de março de 2011

Do outro lado


Antes meus pensamentos fluíam em diversas palavras que eu desperdiçava aqui neste pedaço, tudo fazia parte da minha imaginação e daquilo que via as outras pessoas vivenciarem, poucas coisas eram sobre o que minha alma sentia ou presenciava, nada era exatamente sobre mim. Algumas pessoas que liam diziam que eu escrevia muito bem, que era sensível ao expressar meus pensamentos.
Bom.
Eu fui boa enquanto meu coração não despertava sentimentos desconhecidos, eu era boa enquanto em minha mente existia mais do que um pensamento, eu era boa até você não me confundir, roubar minhas idéias e no lugar delas colocar a imagem do seu olhar, seu lindo olhar. Eu fui boa antes de você, eu conseguia controlar tudo a minha volta. Descrevia em meu pedaço de papel tudo aquilo que meu coração ansiava em dizer. Eu era boa, destemida.
Hoje mal consigo te olhar nos olhos ou sorrir para você sem parecer boba. Minha força simplesmente desapareceu, ela foi tomada de mim no instante em que descobri a paz nos teus olhos. Agora não consigo mais ver o mundo e suas emoções através dos olhos de uma observadora, só me vejo como uma vítima, vítima do seu amor.
Perdi toda a coragem que tinha quando usava meu bloco de anotações. O que irei escrever agora? Só o que me resta é tentar me enxergar através de um espelho que me mostre aquilo que nunca pude ver em mim mesma, e voltar a usar meu pequeno pedaço de papel, olhando agora por um outro ângulo...

A vida é tão curta...


Estou dentro de um trem que por impulso eu entrei, não sei para onde vou e nem me lembro de onde vim.

Tentada a fugir pelas opções que a vida me impôs e por não ter um caminho melhor a seguir, estou partindo para uma nova fase da minha vida. Sem arrependimentos, desilusões ou dor.

Começarei não criando promessas de uma vida melhor, mas vivendo um dia de cada vez. Não sairei a procura de um amor, mas deixarei que ele me encontre. Esquecerei meu passado, mas guardarei as lembranças. Não pararei o tempo, mas correrei contra ele quando preciso.

Dessa vez não me esconderei do que realmente sou, não terei medo de dizer tudo aquilo que por tanto tempo eu manti em segredo.Terei coragem.

Sei que não conseguirei atingir a perfeição, pois este status não existe. Errarei, mas procurarei concertar; Chorarei, mas tentarei me alegrar; Cairei, mas me esforçarei para levantar. Não posso me prometer uma vida sem sofrimentos, mas farei de tudo para que isso não aconteça.

E assim eu sigo, sentindo mais uma vez o vento soprar em meus ouvidos uma mensagem de esperança :" Eis a sua chance."

- E eu a agarrarei. - me sinto convicta.

' And roam, cause life is too short...'

Ninguém jamais saberá

Ninguém jamais saberá o que eu sinto por você, a intensidade do meu amor.
Nem que todas as palavras tentem expressar, ninguém jamais saberá.
A velocidade dos meus batimentos aos sentir tuas mãos nas minhas, ninguém jamais saberá.
O quanto meu coração dói todas as vezes que nos despedimos, ninguém jamais saberá.
A alegria que sinto quando te vejo, como me perco no brilho dos teus olhos, ninguém jamais saberá.
E o quanto eu choro todas as noites sozinha por não ter você comigo, ninguém jamais saberá.

sábado, 19 de março de 2011

Starless


Neste meu lugar,
sentada sem me importar exatamente onde,
sinto minha face sendo tocada pelas lágrimas desse céu sem estrelas.
Procurando pelo brilho que sem razão desapareceu,
levando com ele minha unica alegria.
Querendo uma resposta para os erros daquilo que eu julgava ser perfeito,
a resposta para um sentimento que se apagou,
assim como as estrelas nessa noite chuvosa.
Traz de volta o que levou de mim,
traz de volta o brilho das estrelas e leva contigo esta chuva,
seque suas lágrimas,
seque meu pranto.
Devolve à minha alma a força, devolve à ela minha felicidade.
E volte a brilhar novamente...

quinta-feira, 17 de março de 2011

I miss you

Me reviro de um lado para o outro na esperança de ser atingida pelo cansaço ou pelo sono. Inútil. A saudade não me deixa sequer conseguir fechar os olhos em paz. Toda vez que eu fecho os olhos sua imagem vêm em minha mente. Seu sorriso de canto e seus braços abertos como se esperasse um abraço meu.
Não queria que fosse assim, que um estivesse tão longe do outro, mas as situações que a vida nos impõem faz com que tomemos decisões precipitadas que vão nos assombrar pelo resto de nossas vidas. A essa altura não adianta ficar me perguntando o tempo todo: "Porque comigo? Porque tem que ser assim?" São perguntas que nunca terão respostas e é perda de tempo ficar torturando meus sentimentos sobre esta questão. Está claro que não dá pra ser sempre como a gente deseja.
O que eu queria é que fosse mais fácil para mim, que o destino me desse uma trégua, nunca lutei tanto para ficar com alguém, nunca amei ninguém desse jeito, me arrisquei em muitos relacionamentos que não tiveram sucesso algum e agora que finalmente encontrei a verdadeira felicidade, uma simples escolha me tira isso.
Se é injusto? Quem sou eu pra dizer?
Só o que quero é poder te ver feliz e com os braços abertos mas fora dos meus sonhos, em minha realidade.O que posso fazer é deixar o tempo te trazer para mim.



terça-feira, 15 de março de 2011

E pelas ruas escuras eu vou seguindo, pegando pelo caminho os cacos do meu coração destruído. Mais uma dor que eu superarei, mais uma decepção que lutarei para esquecer, mais um ano tentando encontrar minha felicidade.
Meu sacrifício, todo meu esforço, nada teve valor.
E vou recolhendo um por um. A cada pedaço, uma lembrança. A vez em que chorei na sua partida, quando expus meu sentimento a você, e com a maior frieza você o ignorou, todas as vezes acordada tentando descobrir uma solução para todo meu sofrimento.
Agora tento me reencontrar no meio da escuridão, enquanto concerto uma pequena parte de mim e me livro de todos meus erros.
As lágrimas eu já sequei, as dores escondi, os sorrisos já não tenho mais, e com o pouco que resta de minhas forças eu sigo, caminhando sem rumo algum, procurando por algo que ainda não encontrei.

segunda-feira, 14 de março de 2011

' Palavras


Soprando o vento sobre as árvores, leva com ele as folhas secas, leva com ele minhas palavras. Palavras jogadas no tempo sem a menor importância de atingirem algo ou alguém, palavras que não conseguiria mais guardar dentro de mim.

'Palavras de culpa, palavras de desespero, palavras de desilusão.'

Em toda minha vida as guardei, toda minha vida não as pronunciei. Por medo, medo de magoar e ferir, mas com o tempo percebi que ninguém era mais prejudicada que minha própria alma.
Com toda a coragem que juntei e busquei dentro de mim, com a força que ganhei com os erros e tentativas, eu as libertei.

'Palavras de dor, palavras de amor...'

Agora livre desse peso que me perseguia eu volto e tento retomar minha vida. Guardo comigo agora,' palavras de esperança, palavras de alegria.'

Desatar os nós


Sinto raiva, raiva de mim mesma por não ter sido mais forte. Raiva de ter me deixado afogar em seu olhar. Raiva de não conseguir mais olhar pra você sem abrir um sorriso bobo.
Mas sinto muito mais raiva de saber que tudo isso já acontecia antes, e de que eu apenas escondia de mim mesma com medo de me magoar.
Sempre quis me proteger de você, sempre quis não te ver dessa forma porque sei que com você eu não posso controlar meus sentimentos e ações, eu simplesmente não consigo. É como se meu corpo fosse controlado por correntes presas aos meus punhos e uma voz muito alta gritasse vários pensamentos em minha mente com um turbilhão de emoções me envolvendo em seguida.
Logo agora, que você me diz estar tão feliz por ter encontrado alguém perfeito pra você...
Meu coração está confuso demais para conseguir me fazer criar uma solução. A voz está gritando: ' Deixa, deixa...'. Queria poder me livrar disso tudo, queria poder nos livrar disso. Tenho medo de que os cabos que me manipulam tomem a decisão de de repente o envolver em um abraço inesperado, ou que a voz grite algo que saia pelos lábios como: 'Eu amo você'.

Enquanto tento desatar os nós que me prendem a ti, eu vou sentindo raiva, não de você, mas do que sinto por você.

sexta-feira, 11 de março de 2011

' a Chuva



Fecho os olhos.
Me transporto para outro lugar,
um lugar onde posso ser eu mesma.
Eu grito.
Minha voz ecoa o enorme espaço.
Não tenho mais que me esconder de ninguém.
Ainda de olhos fechados.
Um sorriso brota em meu rosto.
Uma alegria imensa me toma e não consigo mais controlar meu corpo.
Estou correndo.
Sem rumo algum,
apenas correndo.
Corro,
sem parar nenhum segundo.
Uma brisa forte toca meu rosto e faz meus cabelos dançarem no vento junto com minhas vestes.
Eu paro.
Abro os braços.
Como se o vento pudesse me levar.
Sinto estar flutuando.
É tão bom estar aqui...
As nuvens se unem e o céu no mesmo instante escuressesse.
Levanto meus olhos.
Uma pequena gota de chuva cai sobre meus lábios.
A primeira gota.
A chuva cai.
Cai sobre mim como se me lavasse.
Ela me lava dos meus erros.
Lava todo o meu passado.
Lava minhas dores.
Lava-me do meu medo.
Medo que sinto acabar de perder.
Me sinto mais do que exposta neste lugar.
Esse lugar vazio,
mas tão cheio de mim.
Minha alma despida,
mas não mais amedrontada.
Me sinto mais segura.
Estou pronta para enfrentar qualquer obstáculo.
Estou aliviada.
Elevo mias uma vez meus olhos à chuva que ainda está caindo,
e com um simples olhar,
agradeço.

quarta-feira, 9 de março de 2011

'Pronto, agora já está feito, não tem como voltar atrás.'
A água parece estar me engolindo e eu sinto estar afundando cada vez mais.
'Onde está você?'
Aos poucos vou perdendo minha lucidez, não consigo mais pensar em nada.
'Socorro...'
Meu corpo já não está mais lutando contra a força das águas, meus olhos se fecham e a fraqueza me toma de uma vez. Estou caindo, me afundando na tristeza e na minha dor.
Estou perdendo meus sentidos. Acho que estou morrendo.
No instante em que o pensamento de morte me atingiu, senti algo me puxar de volta pra cima.

***
'Cheguei tarde demais, ela já se jogou.'
Tudo porque nossos pais não nos queriam juntos. Maldita rixa entre nossas famílias! Levou toda minha paz e alegria e agora quer levar de mim também a razão da minha vida. Mas eu não deixarei.
Me jogo na água afim de encontrar minha amada, não voltaria a superfície sem ela.
Mergulhando no azul infinito, avisto não muito longe, seus longos cabelos negros. A ansiedade explodiu em mim. Vou ao seu encontro o mais rápido que posso. Cada minuto conta muito...
Ela está desmaiada, pelo menos assim espero, que seja apenas um desmaio. A pego pelos braços e subo com ela até chegar a superfície.
Tomo-a em meus braços e a carrego até uma pequena pedra, deito sua cabeça devagar enquanto observo seu semblante. Sua pele está tão pálida e fria, como a neve no inverno. Seus lábios já não tem o mesmo vermelho vivo que tinha antes. Seu corpo frágil e leve, como se já não carregasse sua alma dentro dele.
-Não...! - sussurro baixo em seu ouvido. A dor me atinge de uma só vez e as lágrimas que foram contidas em meus olhos pelo medo de demonstrar fraqueza, começam a cair, uma a uma.
-Volte... por mim, volte pelo nosso amor... - minha voz agora sai como uma súplica. Meus olhos agora estão em ti, esperando alguma reação sua.

***
-Não...! - reconheço essa voz, é a voz de John.
'John, porque não? O que não pode acontecer John?'
Será que me ouve? Não sei, não consigo ouvir minha voz. Queria vê-lo, mas não consigo abrir meus olhos...
É isso!
'Calma John, não chore meu bem, eu ainda estou aqui, posso ouvi-lo... Você pode me ouvir John?'
Também posso te sentir, o calor de seus braços em volta do meu corpo, sua respiração quente em minha pele, as gotas de suas lágrimas caindo sobre meu rosto.
'Não chore John...'
-Volte...por mim, volte pelo nosso amor...
'Estou aqui meu querido, nunca irei te deixar.
Me perdoe, me perdoe por ter feito essa bobagem... eu não queria te magoar, só estava cansada de me proibirem de te ver, cansada de sofrer tanto por não te ter comigo todos os dias. Me perdoe meu amor...'
Quero me mexer, mas não consigo. Quero te abraçar, quero poder te mostrar que estou viva e que o que eu mais quero é estar contigo.
Não posso partir e te deixar. Não posso partir para algum lugar onde você não está. Minha razão é estar ao seu lado...

***
Agora sinto como se todas as lágrimas que estive guardando tanto tempo, queiram sair todas de uma vez. A dor é muito grande.
-E agora, o que vou fazer sem você? Pra onde irei, se você é meu caminho? Como viverei, se você é todo o meu ar? Esse mundo já não serve pra mim, já não faz sentido continuar aqui sem você, tudo o que me resta é ir contigo...
A mão que está pousada sobre seu peito sente um batida, parece ser teu coração...

***
'Oh John, não diga isso! Não cometa esse erro!
Eu estou viva John, viva!'
Minha voz não sai.
Tenho que voltar, eu preciso voltar...

Um calafrio percorre todo o meu corpo, sinto minhas veias pulsarem novamente e meu coração começa a retomar seus batimentos.
'Consegui! Eu voltei.'

***
-Clarice? - minhas mãos apertam as suas e sinto seu corpo reagir ao meu contato.
Devagar, começo a sentir sua respiração, seu peito incha inspirando o ar e depois o solta em um movimento tão calmo que quase não é possível vê-lo.
Apoio sua cabeça em meu colo e aperto ainda mais sua mão.
-Clarice... - suas pálpebras se mexem e vejo seus olhos se abrirem.
A alegria é tanta que minha vontade é de abraçá-la forte, até acreditar realmente que isso está acontecendo.
'Você voltou pra mim!'
Eu lhe abro um enorme sorriso.

***
Abro os olhos devagar e me deparo com uma imagem maravilhosa, meu John sorrindo pra mim. Retribuo seu sorriso e acaricio seu rosto carinhosamente. Sua expressão é de quem não acredita no que vê.
-Eu voltei meu amor... - minha voz finalmente sai e com ela sai também o alívio de estar novamente com ele.
Vejo uma lágrima escorrer de seus olhos. Ele me envolve em um abraço quente e cheio de saudade.
-Eu te amo. - ele sussurra em meu ouvido.
-Com toda a minha alma. - eu deixo as lágrimas rolarem em meu rosto.

E ficaria ali para sempre com ele. Sentados a beira de um lago, envolvidos em um abraço como se fôssemos um só. Nos amando e aproveitando cada segundo que temos juntos.

Amar, pois a força de um amor salva uma alma perdida.











sábado, 5 de março de 2011

O destino e eu


Em meu carro velho, seguindo pela estrada 60B, eu me oriento por um mapa qualquer. Mas deveria eu, ser guiada por um simples pedaço de papel quando posso tomar um novo caminho e dar a minha mesma um pouco mais de aventura?
Afinal, pra que voltar ao meu cotidiano? Pra ficar estressada, perder a verdadeira magia dessa vida, e desejar todos os dias estar exatamente como estou agora?
Não, eu vou seguir essa rota, a que eu mesma fiz, com destino a uma nova oportunidade de aproveitar verdadeiramente a minha vida.
Ligo o rádio. Abaixo o vidro para poder sentir o vento soprando em meu rosto e cabelo, e aumento a velocidade sem receio de ser pega ou algo assim. Nada me intimida.
E lá vou eu, a garota que não tem o destino nas mãos, mas que pode levá-lo de um modo menos chato. Com meu Ford Galaxy 1965, ouvindo hardcore e sentindo na pele a verdadeira definição da palavra vida.


quarta-feira, 2 de março de 2011

me leve com você



Me sinto tão frágil e desprotegida aqui sem você. Nenhum pensamento ou idéia parece fazer sentido.
-Me ajuda... - minha voz sai em um sussurro.
Não consigo achar nenhuma saída, estou presa em uma cela de descontentamento e solidão.
-Por que você se foi?
Uma tristeza imensa me toma e sinto uma forte dor em meu peito. Me levanto devagar tentando encontrar forças em meu corpo cansado. Estou de pé. Minha visão já não é mais tão clara, meus olhos estão marejados, esperando para derramarem a qualquer momento, através de minhas lágrimas, todo o abandono e desilusão que brotaram em meu peito no exato momento em que você me deixou. Sinto sua falta.
-Por que tem que ser assim? Não é justo! -as lágrimas escorrem pelo meu rosto sem o esforço de serem contidas.
Meu sofrimento é resultado de uma enorme injustiça. Não pode ter acabado assim, tão , de repente. E o tanto que lutamos pelo nosso amor? Nada foi levado em conta.
Meu corpo não conseguiu aguentar a dor e cedeu, desistindo de lutar contra minhas forças para ficar de pé. Jogada no chão frio, encostada em uma parede mais fria ainda, eu me sinto desmoronar aos poucos.
Como pode um sentimento tão forte e intenso, capaz de passar por tudo e todos que o quisesse impedir, ser bloqueado e destruído por uma simples doença?
-Ah, se o meu amor tivesse o poder de curar... Eu te curaria meu querido, te livraria de todo sofrimento, e poderíamos viver para sempre juntos. -as palavras saem como se ele ainda estivesse ali para ouvi-las.
Não sei se vou poder aguentar muito mais, esse mundo já não faz mais sentido sem você. As cores já não me trazem a mesma alegria. Sorrisos e contentamento se perderam dentro de mim. Estou infeliz!
Traz de volta a parte do meu coração que você levou, ou me leve com você.